Antes de mais nada, para quem não sabe o que é uma Egrégora, vamos definir: “Egrégora é um conjunto de forças menores que formam uma força maior por meio de afinidade por um objetivo”. Em outras palavras, quando vários médiuns se reúnem com um propósito (a prática da Umbanda) esta soma as forças individuais de cada um formando uma força maior, que damos o nome de Egrégora.

Para saber mais sobre egrégoras, leia o texto: Egrégoras.

Justamente por isso, apesar da prática da mediunidade poder ocorrer de forma individual, é aconselhável que ela seja feita de forma coletiva.

Além disto, é preferível que seja feita sempre com um agrupamento coeso, com comunhão de pensamentos e objetivos e de forma constante. Justamente o que é uma casa de Umbanda.

Os filhos da corrente se unem com um propósito, da prática da caridade por meio da manifestação dos espíritos superiores, para que estes atendam as pessoas em suas mazelas e necessidades. Desta mesma forma, médiuns, cambones e outros trabalhadores, também usufruem dessa troca benéfica de energia que traz conforto e bem-estar para os trabalhadores de Umbanda.

O que devo chamar a atenção aqui é a divergência de agrupamentos, em outras palavras, trabalhar ora em um local, ora em outro local. Ainda há os médiuns que querem participar de terreiros itinerante sou até mesmo participar de mais deu um local de comunhão com os espíritos de Umbanda. Para mim, isso é mais prejuízo que juízo. Lembrando que esta é uma reflexão pessoal e não uma verdade pétrea.

Veja só, se a prática da Umbanda mexe com energias densas que são emanadas para aquelas pessoas que estão em sofrimento, assim como traz atenção das entidades negativas que querem prejudicar o consulente, o que impede que essas entidades em suas sabedorias possam ir contra os médiuns deste local, que não está formado dentro de uma estrutura “egregórica”.

As casas não são formadas apenas por indivíduos, mas por práticas de evolução e repetição. Então, quanto mais trabalhos é feito num local em nome de Zambi, de Jesus e dos Orixás, mais a força daquele local se consolida, assim como a egrégora energética em torno dela.

Desta forma é extremamente prejudicial ficar pulando de “toco em toco” para sua espiritualidade e para os consulentes que lá estão. Isso de querer manifestar guia para trabalho é pura vaidade, o que se deve focar é o trabalho caritativo constante e não esse “esporádico” com intuitos claramente mercantilistas e de divulgação de algo que não existe de fato, que é o compromisso com a fé.

Perceba em sua vida como as coisas saem dos trilhos. Já se perguntou por quê seus guias não te ajudam ou por quê a egrégora da tua casa permite que você passe por esse solavanco?

Possivelmente a resposta será: “Você não está inserido na egrégora, pois não tem constância em sua vida! Assim seus guias não conseguem se firmar e não conseguem irradiar suas energias benéficas, fora o fato que muitas vezes você não ouve o que seus guias dizem, pois será contrário a suas próprias aspirações egoicas.”

Triste isso? Talvez, mas ainda dá tempo de se reparar! Procure meditar na profunda palavra dos Espíritos Superiores e esteja em comunhão com a verdadeira caridade, que é aquela onde a mão esquerda não sabe o que a direita faz.