No dia 25 de Janeiro de 2020 eu fui presenciar um momento muito emocionante, a confirmação de trabalho de uma médium e seu caboclo. Neste local de trabalho, esse ritual de confirmação é chamado de Coroação de Caboclo, que são os guias que dirigem cada médium, nesta casa.

Para saber mais sobre Sacramentos Umbandistas: Confirmação, Coroação e afins, leia nosso artigo a respeito.

O dia estava muito propício, desde cedo sendo sentido uma energia diferente, uma energia de regozijo pelo momento que estava se prenunciando. Neste dia, a médium seria apresentada diante da sua comunidade com o seu caboclo recebendo a outorga de trabalho dentro desta casa.

Desde antes do começo da gira, a emoção estava já no ar, já no caminho para o terreiro, acompanhado do progenitor da médium, entre conversas, pude perceber que seria um momento de grande emoção.

Ao sermos recebidos pelo dirigente da casa com as devidas apresentações diplomáticas, visto que tanto o pai da médium, quanto eu, possuímos graus de dirigência, percebemos a humildade do mesmo em receber-nos e também da felicidade do pai  material da médium em estar presenciando este momento. Neste terreiro, o progenitor ainda teria a oportunidade de ver mais duas de suas filhas trabalhando, vendo-as incorporar pela primeira vez.

Já no começo do ritual, sendo convidados a estar dentro do congá em posição ao lado dos atabaques tivemos uma visão privilegiada de todo ritual.

Ainda, neste dia seria a saudação e homenagem ao grande Caçador, ao grande orixá Oxóssi, trazendo toda a força da mata para o ayiê. Já no começo, o dirigente, por ser de sua ritualística em primeiro trabalho do ano, saiu com seu orixá, grande Rei de Oyó: Xangô, sendo acompanhado posteriormente pela emanação da mãe de todos, minha querida mãe Iemanjá, nossa rainha da vida e deusa do mar.

“A Umbanda tem os seus caboclos, caboclos das ondas e da beira do mar.
Também tem o das pedreiras, das cachoeiras e do Juremá.
Caboclos dos ventos, da lua e do sol. 
Proteja a Umbanda, que a Umbanda é de Deus
e Deus é o Maior”

Foram saudados também, diversas correntes e coroas da casa, principalmente os guias que chefiam a mediunidade do progenitor da médium. Energias que eram sentidas imediatamente por todos que ali tinham sensibilidade para sentir.

Então, após a dança dos orixás, era chegada a hora da coroação. O Dirigente incorporado do guia-chefe que dá nome ao terreiro, chamou a inicianda para se colocar de joelhos diante da bacia onde continha o preparo do amaci, próprio para aquele ritual, ao lavarem sua cabeça, ao derramarem o líquido sagrado das ervas em seu ori, pudemos todos perceber a grande emanação energética no local.

Era nítida a tomada da coroa da inicianda pela sua orixá regente, a senhora dos ventos e tempestades: Iansã. Quando da chegada do caboclo, o mesmo veio com força, com destreza, dando seu brado para ser ouvido por todos do terreiro e também no íntimo de cada um. Um brado forte, mas ao mesmo tempo reconfortante.

O caboclo tomando a inicianda, dança pelo terreiro livremente, trazendo seu axé até o local, cumprimentando seu progenitor e fazendo com que esse chegasse as lágrimas.

“Lá nas matas têm caboclos, têm.
Lá nas matas têm caboclos, têm.
Tem perfume tem, tem perfume tem.
Oi tem perfume da Jurema para você também.
Tem a cachoeira de Mamãe Oxum,
Tem a espada de meu pai Ogum,
Lá nas pedreiras tem Xangô Caô”

Todo esse relato anterior demonstra como a força da magia dentro da Umbanda está presente nos mais diversos níveis e que rituais como esses trazem toda a beleza desta religião até mesmo para aqueles que estão tarimbados pelos anos servindo as entidades de Umbanda.

A Umbanda é isso, amor, caridade e acima de tudo muita dedicação. A Umbanda é o encontro do sagrado com a família, da comunidade que se torna família, da valorização da ancestralidade, da emoção ao ver sua tradição sendo mantida pelos mais novos. A Umbanda é Umbanda, difícil definir sem estar com os pés no chão de um terreiro.

Este foi um dia muito especial, que me fez ficar com os olhos marejados e com o coração cheio de esperança em uma nova geração de trabalhadores de Umbanda.

Saravá Caboclo Cobra Coral, Saravá Caboclo Águia Vermelha, Saravá Caboclo Araribóia, Saravá a meu pai Rompe-Mato, Saravá a seu Exu Tiriri, Saravá a seu Exu Tranca-rua das Almas, Saravá seu Exu Rei das 7 Encruzilhadas. Saravá a todas as forças de Umbanda e Saravá a Deus e Jesus, nosso mestre maior.