“Irmão gratidão imensa a vocês! Paz e amor em nossos corações! Que seja reconfortante o pensamento positivo sempre!”

O discurso sempre começa igual e nos coloca sempre em situações complexas, uma briga interna entre o real e o ideal, onde o real sempre ganha, mas com a necessidade de se chegar ao ideal ainda bem em relevância. O resultado disso? Pessoas infelizes e extremamente deslocadas do seu meio, que creem que estão sendo fracas, inferiores ou prejudiciais.

Em um mundo cheio de gratidão, onde há espaço para a raiva, para o rancor e para a ira? Momentos de desconforto devem ser regidos sempre dando a próxima face? Há mesmo toda essa vida linda explicitada nas redes sociais e nos discursos dos “influencers”?

Cuidado com o que você pensa!

Ter sentimentos taxados de ruins é natural e suprimi-los pode causar um desastre na sua psiquê, além de causar também uma ferida em seu campo energético. A verdade é que não conseguimos nos desvencilhar do negativismo e de questões como raiva, tristeza, ódio e medo de forma tão fácil como citam os escritores de auto-ajuda.

Muito pelo contrário o que fazemos é fingir, jogar debaixo do tapete o que se sente e essa “sujeira” vai sendo acumulada, criando onde antes era apenas uns grãos pequenos de poeira uma verdadeira montanha de sentimentos não resolvidos ou elaborados, o que pode ocasionar uma ruptura na mente da pessoa e essa explodir com tamanha violência que os mais próximos até desconfiarão de que ela está “possuída”.

Não vamos confundir uma explosão emocional com uma obsessão espiritual. Todos nós temos nossos momentos de ira!

O que deve-se sempre tomar cuidado é com o excesso de positividade que se coloca no mundo, onde sentir sentimentos menos nobres nos torna piores, inferiores e retalhos de pessoas que poderiam estar completas. É justamente o oposto, sentir isso, aceitar, entender e desenvolver algo sobre isso é bem diferente de fingir que está tudo bem.

Então essa historinha de “Gratidão” no lugar do “Obrigado”, do “Paz e Amor”, e etc, é uma positividade tóxica. Todos ficam nauseados com tamanha falta de senso e realidade. Ninguém é feliz 100% do tempo, ninguém tem tudo certo em sua vida. Olhe grandes casos de depressão no meio de pessoas que supostamente – para o campo material – possuem tudo: Dinheiro, Fama, Fortuna, Sucesso, etc.

Não adianta procurar se enganar, deve-se sempre procurar se entender!

A principal questão quando se vai de encontro a uma consulta espiritual é desenvolver um senso crítico na fala do guia e dentro do que o espírito diz, enquadrar isso em nossas vidas, para que seja extraído o melhor. Nem sempre o melhor se dará com sorrisos e gargalhadas. Muitas vezes é por meio da dor e da dificuldade que um objetivo é alcançado.

Não menosprezar isso é o importante!

Todos os opositores do que digo logo vão expor a fala do Cristo: “Mas Jesus disse para dar a outra face!”. Primeiramente que ele disse isso num contexto de vingança pessoal e a outra face que ele diz é para mostrar um outro lado da história para aqueles que nos fazem mal, procurando explanar de forma construtiva e não simplesmente cumprindo com a lei de talião aquilo que foi feito em seu prejuízo.

Dar a outra face é um termo muito mais amplo do que só apanhar. Até parece que o Nazareno que expulsou os mercadores do templo, que expôs São Pedro como alguém que o iria renegar, que desafiou toda uma ordem política e religiosa vigente e também disse que veio trazer a espada e não a paz, iria dizer que a gente tem que dar a outra face para apanhar.

Vamos pensar mais profundamente nessas questões e parar de nos culpar por não estarmos felizes o tempo todo. A vida é feita de oscilações e por meio delas há propagação e deslocamento, assim nunca seremos inertes e imóveis. Esse é o progresso, essa é a evolução, essa é a LEI.