Undercover Macumbeiro: 7 Tronqueiras Itinerante

O Undercover Macumbeiro é uma polêmica desde a sua concepção. Mas como bom filho de Ogum, não costumo fugir da briga e por se tratar de ser uma coluna que preza por expor a verdade, acaba nos permitindo repensar o cenário umbandista e espiritualista.


Esse relato ocorreu logo no meu começo de Umbanda, de forma ostensiva, onde tomei conhecimento de uma rádio sobre Umbanda pela internet. Achei a ideia incrível, pois além de pontos, poderíamos discutir a prática religiosa para muitas pessoas de forma bem difundida, porém, nem sempre é o que ocorre. Um desses programas tinha o nome de uma entidade e era apresentado pelos sacerdotes (assim autodenominados) da casa e eu quis conhecer a mesma, aproveitando fui com minha ex-esposa e também um colega conhecer o local.

Chegando até o local, em algum lugar da Zona Leste da cidade de São Paulo, percebi um aglomerado de pessoas se juntando em uma rua estreita e erma e localizei o terreiro na sobreloja do mesmo espaço. Embaixo havia uma loja de produtos religiosos, onde você deveria entrar para registrar a sua visita ao terreiro. De certa forma, achei interessante ter esse registro, porém achei mercantilista você ser obrigado a ir em uma loja. Após a defumação que rolava no terreiro, o médium responsável por esta, desce as escadas e defuma todos que estavam na rua. Até aí, tudo bem, pois vai que queriam defumar mesmo a todos.

Esperamos muito tempo para sermos atendidos, a casa, talvez pela popularidade do programa e também por ser uma Gira de Exus, estava lotada. Após muito tempo esperando fomos convidados a subir e nos sentamos em uma área de atendimento depois de passar por salas, quadros de aviso, avisos de cursos, murais com pedidos de doação e propagandas de cursos, todos a preços próximos de R$ 70,00. Sentados nas desconfortáveis cadeiras, não conseguíamos enxerga a área do Congá, pois era tudo fechado por uma porta de ferro e vidro com aqueles vidrinhos todos octavados que distorcem a visão.

Chegada a minha hora, me recomendaram tirar os tênis e fui ao encontro de um senhor que estava sentado no chão, com um ponto riscado e um copo de pinga no mesmo e ele fumava um charuto, que não distingui a marca. Com um brajá vermelho e preto cruzando o corpo e filá preto, roupas pretas e vermelhas, ele começa a me dar passes e perguntar o que estava fazendo lá.

Disse-lhe que estava indo visitar a casa para conhecer, pois havia ouvido o programa de rádio e que não tinha algum problema sequer para relatar, só tinha ido para conhecer mesmo. Então o mesmo começa a me dar um sermão de como ser médium é ter responsabilidade, de que eu deveria ficar naquela casa e que ele e o cavalo haviam ido em muitas casas e caído muito na vida, mas que ali tinham se encontrado a ponto do cavalo ter se tornado um sacerdote. Falava isso apontando e puxando o brajá vermelho e preto. Disse-me ainda sobre as muitas quedas do cavalo com a bebida e que hoje só usava para por no ponto riscado e finalizou: Me chamo 7 Tronqueiras!

Curiosamente, essa não foi a última vez que encontrei esse médium e essa entidade, porém ele trocou de casa e podia ser encontrado na casa que relato no undercover: “Quem ouve é posto a prova – Pantera-Negra e Jurema“.

Eu já estava meio insatisfeito com a “modéstia” do Exu, quando ele começa a apontar para a mãe da casa, exaltando suas qualidade e seus predicados. Dizendo que ela salvou a vida dele e que eu deveria fazer o mesmo, pois na casa que eu vivia não tinha isso de cuidar de Exu e que Exu precisa ser cuidado porque senão vira sua vida do avesso e que você tem que alimentar Exu. Perguntou-me quando fora a última vez que oferendei meu exu e respondi-lhe que isso não era prática comum na minha casa, apenas acendia a firmeza dele com um copo de água ou bebida da escolha dele e uma vela vermelha e preta, quiçá branca, na maioria das vezes. Que de vez em quando dava-lhe um charuto, porém o 7 Tronqueiras não aceitou minha resposta e disse que haviam me ensinado errado, que exu tinha que ser alimentado com coisa boa e que ele queria me convidar para trabalhar lá, porém antes teria que fazer o curso de desenvolvimento, depois um curso de magia de fogo e depois um curso de portais de Obaluayê. Nisso percebi que o Exu deveria saber mais que o secretário da casa em si sobre as necessidades e pré-requisitos para adentrar aquela casa.

Eu pedi licença para ele e disse que estava bem onde estava, então ele me interrompeu e disse-me que tudo parecia bem, mas que os espíritos maus iam me cobrar o alimento de alguma forma. Agradeci, falei que ponderaria sobre suas palavras (e realmente o fiz, o que não implica que tenha que concordar) e me retirei para a assistência esperando meu colega e minha ex-esposa.

A surpresa me veio quando eles comunicaram coisas semelhantes, que os Exus pelos quais eles passaram pareciam vendedores de telemarketing desesperados para fechar a meta mensal de cursos e médiuns adquiridos para o desenvolvimento mediúnico.

De qualquer forma, o programa no Rádio continuou e eu comecei a perceber coisas estranhas nas falas e indicações, principalmente quando era um Exu Pimenta que dava as respostas das perguntas dos ouvintes. Nem sei se ainda existe esse programa, apesar que sei que a rádio ainda está na ativa, porém a própria casa saiu completamente do eixo que seguia e virou algo muito parecido com um teatro candomblecista que faria os verdadeiros praticantes do Candomblé se arrepiarem!

Pois bem, quem sabe encontro o 7 tronqueiras em outros terreiros que visitar também?

Terapeuta Natural (Naturopata) e futuro Acupunturista, Idealizador do blog Perdido em Pensamentos e pretenso escritor. Geminiano com ascendente em Leão e lua em Touro, acredita que toda forma de estudo é importante. Médium umbandista e eterno questionador, tem interesses em temas como: Espiritualidade, Espiritismo, Umbanda, Magia e Terapias Naturais. É apaixonado pela cidade de São Paulo, onde tudo é possível. Colecionador de livros, principalmente sobre Umbanda (quanto mais antigo melhor).

Douglas Rainho

Terapeuta Natural (Naturopata) e futuro Acupunturista, Idealizador do blog Perdido em Pensamentos e pretenso escritor. Geminiano com ascendente em Leão e lua em Touro, acredita que toda forma de estudo é importante. Médium umbandista e eterno questionador, tem interesses em temas como: Espiritualidade, Espiritismo, Umbanda, Magia e Terapias Naturais. É apaixonado pela cidade de São Paulo, onde tudo é possível. Colecionador de livros, principalmente sobre Umbanda (quanto mais antigo melhor).

Você pode gostar...

  • Elton Francisco

    Rindo alto aqui!

  • Fabiana Carvalho

    Eu ouvia muito essa rádio. Ainda tem programas no youtube do exu da mãe da casa. Teve um que não esqueço, pois sempre mandei perguntas. Estava sofrendo uma obsessão mais grave e no terreiro que encontrei em minha cidade me passaram 21 banhos seguidos numa gira tbm de Exu.
    Enquanto fazia os banhos, eu passava pelos passes semanalmente com Preto Velho e Caboclo onde moro e assim fui conhecendo a religião. Não perdia a rádio já que havia me encantado com a Umbanda, pois foram as primeiras “pessoas” que vi que colocarem a mão na massa sem medo ou preconceito pelo que eu passava, sentia ou manifestava. (eu vim do kardecismo)
    Neste programa de rádio citado sempre me respondiam com educação, apesar de ouvir ele falar palavrão ou que ia atrás de alguém… e muitas vezes as pessoas me diziam que aquilo era normal para Exu e tal. Eu não concordo em nada com isso, mas ok naquele momento, pois eu estava com problemas maiores.
    Aí quando falei que eu achei um local e estava fazendo um banho ele se descontrolou e pela primeira vez zombou feio do local, tirou um tempo para diminuir outras casas e pessoas…
    Depois de um tempo, por causa de tantos problemas técnicos as transmissões pararam.